fbpx

Artigos

Young Boy Studying At Desk In Bedroom In Evening

A psicomotricidade é a ciência que estuda o ser humano por meio de seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo. O objetivo é visualizar o ser humano da maneira mais completa possível. Sendo assim, o especialista da área (psicomotricista) dispõe de um conjunto de atividades que ajudam as crianças a desenvolver suas habilidades de forma individual.

Sabe-se que há uma interdependência entre o desenvolvimento motor, afetivo e intelectual da criança, pois nos movimentos ela consegue mostrar os seus desejos, a afetividade, como interage com o meio em que vive e a possibilidade de comunicação.

Essas atividades de psicomotricidade envolvem o movimento, a inteligência e o afeto. Trabalha-se a percepção de si mesmo, por meio das sensações e relações entre o corpo e o exterior, além do jogo simbólico e a subjetividade psíquica. A técnica pode ser aplicada por diversos especialistas como fonoaudiólogos, educadores físicos, psicólogos, psicopedagogos, entre outros.

Como contribui para quem tem TEA

Muitas vezes, a pessoa com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) utiliza seu corpo para demonstrar o que sente. É importante trabalhar com a psicomotricidade logo na primeira infância dos autistas (até os sete anos, aproximadamente) com atividades que acompanhem a idade mental e o organismo da criança. A pessoa com o TEA precisa ser estimulada na sala de aula e em casa a realizar desenhos, pinturas, recortes e colagens.

E também é importante realizar brincadeiras com objetos lúdicos e que estimulem a curiosidade da criança. Sempre respeitando a individualidade da pessoa com autismo. Por isso, quem tem hipersensibilidade precisa ficar longe de objetos com texturas. Podem também realizar atividades com bambolês, jogos com objetos de diversas formas e tamanhos, jogos com tecidos, entre outras atividades.

As brincadeiras lúdicas na educação infantil é uma ótima estratégia para treinar a coordenação motora das crianças e também para o equilíbrio e noção de lateralidade. O psicomotricista faz intervenções que estimulem o desenvolvimento do corpo em movimento, beneficiando a interação do autista com a família e o meio social, suas habilidades cognitivas, afetivas, emocionais, o que proporciona mais qualidade de vida. Nesse processo, ele deve captar as mensagens não verbais da criança, pois a comunicação e o vínculo são características que envolvem a eficácia do trabalho do psicomotricista com o autista.

Sabe- se que a psicomotricidade ajuda a criança autista a descobrir o seu corpo, seu espaço e o mundo à sua volta. Ela também passa a percebe os estímulos por meio dos seus sentidos, sensações e sentimentos. Por isso, passa a construir seu próprio mundo devido às relações afetivas e emocionais.

Os autistas sentem dificuldade de noção corporal e por essa razão é fundamental ajudar a criança com o autismo a conhecer o próprio corpo. É importante nomear as partes do corpo, deixá-la tocar e entender a funcionalidade, de modo que ela possa relacionar o nome da parte do corpo com o significado.

A psicomotricidade ajuda quem tem o Transtorno do Espectro do Autismo a desenvolver a parte sensorial, a motora, a linguagem e a capacidade de perceber ambientes sociais. Permite que o autista desenvolva habilidades ao apropriar-se de sua imagem e esquema corporal e  da consciência de seu corpo dentro de um ambiente ou de um contexto.

Vale ressaltar que além do ambiente escolar, a família deve incentivar e realizar os exercícios de psicomotricidade indicadas pelo profissional para que o autista consiga desenvolver suas habilidades. É importante que os pais, professores e cuidadores estimulem as percepções sensoriais da criança com o TEA e procure ajuda profissional para elaborar uma estratégia com as atividades adequadas de acordo com a necessidade da criança autista.

Você já conhecia a psicomotricidade e os benefícios para os autistas? Conte para gente a sua história.

#Psicomotricidade #Autismo #TEA #HabilidadeseAutismo

Referências:

https://psycnet.apa.org/record/2016-59175-004

-http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0123-42262013000200008

– A PSICOMOTRICIDADE NA APRENDIZAGEM ESCOLAR, disponível em: http://www.avm.edu.br/monopdf/7/ADRIANA%20AGUIAR%20MIRANDA.pdf

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista que estuda o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) há quase 10 anos, Fabiele Russo é Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD) e Pós-doutorado pela USP. Possui ampla experiência na área do autismo.