fbpx

Artigos

depressao e TEA

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão será um dos transtornos mentais mais incapacitantes em todo o mundo até 2020. Estima-se que ela possa atingir mais de 320 milhões de pessoas. Os sintomas variam bastante, mas é comum que indivíduos deprimidos sintam uma tristeza profunda, desânimo, desinteresse, humor alterado, falta de apetite e até pensamentos suicidas.

Um estudo divulgou que quase 20% dos jovens com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) foram diagnosticados com depressão. E estima-se que quase metade dos adultos com autismo terá um quadro depressão durante algum momento da vida. Isso ocorre, de acordo com os pesquisadores, devido a  fatores biológicos, psicológicos e sociais. Além do fato de o autismo e a depressão compartilharem vulnerabilidades genéticas comuns.

Estudos sugerem que irmãos de crianças com autismo também costumam ter depressão, mas com menos frequência. Com isso, sabe-se que fatores familiares compartilhados, como os genes e o ambiente doméstico, contribuem para a surgimento do transtorno mental. Porém, autistas têm 2,5 vezes mais chances de ter um diagnóstico de depressão do que seus irmãos sem o Transtorno.

Sabe-se também que a depressão é mais comum em indivíduos com autismo que possuem mais inteligência. Os pesquisadores acreditam que aquelas pessoas com autismo e com o quociente de inteligência (QI) acima da média sejam mais conscientes das dificuldades sociais associadas ao seu diagnóstico de autismo, o que aumenta a chance do surgimento da depressão.

 

Dificuldade de identificar a depressão

Um desafio encontrado pelos especialistas na hora do diagnóstico da depressão é que muitas das características são semelhantes aos sintomas e comportamentos do autismo, tais como: retraimento social, distúrbios do sono e contato visual reduzido. É importante ressaltar que a depressão em pessoas com autismo pode apresentar-se de forma distinta, com o aumento da agressividade e/ou dos comportamentos repetitivos.

Todas as pessoas com depressão podem ter dificuldade em compartilhar seus pensamentos e sentimentos. Mas, quem tem autismo geralmente não consegue rotular seus sentimentos, comunicar os sintomas ou preocupações sobre seu estado mental e falta de ânimo. Por isso, o diagnóstico pode ser mais difícil.

Médicos e pesquisadores afirmam que é importante examinar mudanças no comportamento, como sono e hábitos alimentares, irritabilidade ou níveis de agitação.  Uma questão importante levantada pelos especialistas e que causa depressão é o bullyingfrequente. Um outro estudo descobriu que crianças com autismo eram vítimas de bullyingcerca de três vezes mais do que as demais. Nesses casos, acredita-se que ser intimidado por toda a sua vida prejudica a saúde emocional de algumas pessoas com autismo.

 

Diagnóstico tardio de TEA

Outra informação relevante apontada pelos pesquisadores é o fato de que algumas pessoas com TEA só tiveram o diagnóstico após um quadro de depressão. Sabe-se que indivíduos que tiveram um diagnóstico tardio de TEA, muitas vezes, sofrem pelo isolamento social e bullying nas escolas e até na sociedade. Na maioria das vezes, eles não entendem o que está acontecendo, mas sabem que são diferentes ou tratados de outra forma.

 

A importância do tratamento

A depressão pode ter consequências devastadoras na qualidade de vida da pessoa com autismo, pois aumenta o risco de pensamentos e comportamentos suicidas.Uma pesquisa realizada com 791 crianças com TEA – sendo entre elas 186 crianças com desenvolvimento típico e 35 crianças não autistas com depressão diagnosticada — mostrou que pensamentos suicidas foram 28 vezes mais frequentes em aqueles com TEA.

Após o diagnóstico, é fundamental que ocorra um tratamento adequado e multidisciplinar, pois a depressão pode reduzir ainda mais a interação social e aumentar a apatia em pessoas com TEA.

Os tratamentos para a depressão variam bastante – pode ser indicado terapia adaptada com psicólogos especializados e em alguns casos o uso de medicação específica indicada por um psiquiatra.

 

Referências:

– OMS: https://www.who.int/mental_health/management/depression/wfmh_paper_depression_wmhd_2012.pdf

– Association Between Autism Spectrum Disorders With or Without Intellectual Disability and Depression in Young Adulthood, disponível em: https://jamanetwork.com/journals/jamanetworkopen/fullarticle/2698632

Characterization of Depression in Children with Autism Spectrum Disorders, disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3154372/ 

Differences in the Prevalence, Severity and Symptom Profiles of Depression in Boys and Adolescents with an Autism Spectrum Disorder versus Normally Developing Controls, disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/1034912X.2014.998179?scroll=top&needAccess=true&journalCode=cijd20

Leñon Ròvere

Neurocientista que estuda o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) há quase 10 anos, Fabiele Russo é Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Atualmente é Pós-doutoranda pela USP e possui ampla experiência na área do autismo.